Sobre

Casa Lar

Objetivo

O nosso objetivo é ser um abrigo modelo para recebimento de crianças de 06 a 12 anos, encaminhados pelo Conselho Tutelar de Florianópolis, para permanência necessária e temporária, até reintrodução ao convívio familiar original, colocação em família substituta, adoção  (nacional ou internacional) ou preparação para vida autônoma, depois de completados 18 anos.

História

Durante o verão de 1993, jovens do Movimento de Emaús, movidos pelo espírito de serviço e com a convicção de que a “fé sem obras é morta”, iniciaram um trabalho de apoio a um grupo de crianças e adolescentes sem vínculo familiar no Município Rancho Queimado, a 75 km de Florianópolis (SC). Este trabalho, embora tenha findado pela dissolução da casa que abrigava tais crianças e adolescentes, acabou por aproximar os membros de diversos grupos do Movimento de Emaús, dando origem à associação Ação Social Missão em março de 1993, constituída como entidade privada sem finalidade lucrativa, com natureza filantrópica, cujo objetivo é ser responsável pela manutenção de um abrigo, que funciona como uma “casalar”, onde crianças, do sexo masculino, entre 6 e 12 anos residem. A medida de abrigamento está prevista na Lei n° 8.069/90, Estatuto da Criança e Adolescente (ECA). Conforme o art. 101, inciso VII da referida Lei, a medida de abrigamento somente deverá ser aplicada após se esgotarem as demais medidas de proteção previstas, cujo objetivo é proteger a criança ou adolescente das violações a que estejam sofrendo em sua família. Desde o início das atividades, mais de 60 crianças já passaram pela “Casalar Emaús”. A minoria retornou para sua família original, algumas foram adotadas por famílias substitutas e outras permaneceram até a idade limite, partindo para vida autônoma. O sustento da Casalar sempre ocorreu por meio de convênios com o Poder Público, estaduais e municipais, convênios com pessoas jurídicas, e por meio de doações espontâneas. A maioria absoluta das pessoas ligadas à instituição, incluindo a diretoria, dedica seu tempo voluntariamente às crianças e adolescentes abrigados.